Pular para o conteúdo principal

Codesp fará reunião para evitar filas nos acessos a zona portuária

Congestionamento

Fernanda Balbino

N/A
Plano será traçado para evitar filas de caminhões
Autoridades e empresas envolvidas no escoamento da safra agrícola pelo Porto de Santos se reunirão, na próxima terça-feira(10), no Terminal de Passageiros Giusfredo Santini, para a apresentação do plano que visa evitar novos congestionamentos nas estradas que dão acesso à zona portuária. O encontro, organizado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo(Codesp,a Autoridade Portuária), acontecerá apenas cinco dias antes do aumento no movimento de caminhões – carregados com a produção agrícola – na região. 
 
Além da Docas, órgãos federais, estaduais e municipais participarão do evento. Representantes da Secretaria de Portos (SEP), da Agência Nacional de Transportes Aquaviários(Antaq), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Receita Federal estarão presentes, assim como servidores dos ministérios dos Transportes e da Agricultura Pecuária e Abastecimento, das prefeituras da região e da Polícia Rodoviária Federal.
 
As concessionárias rodoviárias, ferroviárias e hidroviárias, também foram convocadas, assim como associações, sindicatos, embarcadores, armadores e os terminais portuários do cais santista. Todos os envolvidos apresentarão suas atribuições e como estão preparados para executá-las durante o período de escoamento da safra agrícola.
 
“O desenvolvimento do plano de competências estava previsto desde setembro do ano passado e se divide basicamente em dois pontos principais: organização e contingências”, explica o diretor de Planejamento Estratégico e Controle da Codesp, Luís Claudio Santana Montenegro, responsável pela coordenação desses esforços na Docas.
 
O executivo destaca que, além de contemplar as ações para o recebimento dos caminhões que seguem em direção ao Porto, desde o agendamento prévio até o momento do embarque, o plano estabelece a participação de cada órgão na solução rápida de eventuais problemas.
 
Pátios
 
Segundo o ministro dos Portos, Edinho Araújo, “na safra passada, o agendamento evitou um caos nas áreas portuárias e nos acessos. Este ano, vamos aprimorar o programa, com a disponibilização de mais um pátio, para o estacionamento temporário de 650 caminhões na Baixada, para que eles aguardam a hora certa de chegar ao Porto sem comprometer o tráfego local, entre outras ações para garantir o escoamento com segurança e tranquilidade”.
 
O titular da SEP faz referência ao pátio Granport Multimodal, na Avenida Júlia Ferreira de Carvalho, no bairro Chico de Paula, em Santos, a cerca de 20 minutos do Porto. Ele tem capacidade para abrigar 200 caminhões ou 650 vagas rotativas.
 
Há ainda mais três pátios utilizados por caminhões com destino ao cais santista. O Ecopátio e o Rodopark ficam em Cubatão, Eles têm capacidade de recebimento de mil e 400 veículos, respectivamente. Já em Sumaré, nas proximidades de Campinas, no Interior do Estado, há outro pátio, o Logispot Armazéns Gerais, que tem 150 vagas, além de tanques para a descarga de grãos. Tanto esta instalação como o Granport Multimodal atendem a demanda da Rumo Logística, que administra os terminais açucareiros do Porto de Santos.
 
Agendamento
 
Todo caminhão com grãos que chegar ao cais santista deve passar pelos pátios reguladores, onde será agendado. O motorista receberá, por escrito, o período em que o terminal poderá recebê-lo.
 
O veículo que chegar dois dias antes ou depois do período agendado para carga ou descarga, será considerado infrator. Mas, neste caso, o terminal que impedir o ingresso do caminhão (aquele não esperado ou não apontado pelo sistema),em suas dependências, não será responsabilizado pela permanência do auto em vias públicas. Ou seja, não será cobrada multa da instalação que comprovar quando o motorista burlar as regras de agendamento sem o seu conhecimento.
 
Conforme resolução publicada pelo Governo em 2013, o terminal que desrespeitar a norma de agendamento e causar congestionamentos pode ser multado de R$ 1 mil a R$ 2 mil por caminhão irregular. A normativa também prevê que as instalações recebam multas variando entre R$ 10 mil e R$ 20 mil por veículo que interromper o trânsito portuário.
Fonte: A Tribuna

Comentários